O FANTÁSTICO MUNDO DA GENÉTICA HUMANA!!

SACGEN

 

SacGen - Só para Curiosos

GLOSSÁRIO DE GENÉTICA HUMANA

Alelos: Diferentes formas do gene. Corresponde a uma sequência de DNA localizada em um determinado cromossomo responsável por uma característica específica.

   

 

Anticódon: Três bases do RNA transportador (RNAt) que são complementares a um códon específico no RNA mensageiro (RNAm).

Bandeamento G: Método de coloração que produz bandas claras e escuras intercaladas ao longo dos cromossomos quando utilizado o corante Giemsa. Cada par de cromossomo apresenta um padrão de bandas G, permitindo a identificação dos pares de cromossomos homólogos.

 

Bases Nitrogenadas: São moléculas contendo nitrogênio que formam os nucleotídeos, os quais são os monômeros do DNA e RNA. Elas são divididas em:

  • Purinas: Adenina e Guanina;
  • Pirimidinas: Citosina, Timina e Uracila.

 

Cariótipo: Conjunto de cromossomos de um indivíduo organizados pelos pares de homólogos e ordenados de acordo com o tamanho e forma dos cromossomos. 

 

Centrômero: Região do cromossomo que mantém as cromátides-irmãs unidas. São regiões que se ligam às fibras do fuso acromático durante a divisão celular. De acordo com a posição do centrômero, os cromossomos são classificados em: metacêntrico, submetacêntrico, acrocêntrico e telocêntrico. Na espécie humana não existem cromossomos telocêntricos.

 

Código genético: Corresponde as sequências de bases do DNA que são transcritas em RNAm, as quais serão traduzidas em proteína. O código genético é determinado pelos códons, os quais cada códon especifica um aminoácido.

 

Códon: Uma sequência de três bases no DNA ou RNAm que é traduzido em um aminoácido específico de acordo com o código genético.

Corpúsculo de Barr: Cromatina sexual encontrada em indivíduos com, pelo menos, dois cromossomos X. Representa o cromossomo X inativado. Se a célula contiver dois cromossomos X, o núcleo terá um corpúsculo de Barr; se contiver três Xs, o núcleo terá dois corpúsculos de Barr, representando dois cromossomos X inativados, e assim sucessivamente. Geralmente, o corpúsculo de Barr é visualizado junto à membrana nuclear.

 

Cromatina: Conjunto de filamentos de DNA associados a histonas, que se encontra descondensada dentro do núcleo de uma célula eucariótica. A cromatina representa o estágio de interfase do ciclo celular. 

 

Cromátides-irmãs: São duas moléculas de DNA idênticas, formadas após a replicação, que estão unidas pelo centrômero.

 

Cromossomos: São filamentos de DNA condensados, com alta concentração de histonas. São visualizados durante a metáfase mitótica e meiótica. Cada cromossomo possui um centrômero e duas cromátides-irmãs. As cromátides-irmãs são divididas em dois braços pelo centrômero.

 

Cromossomo autossomos: São pares de cromossomos que contém a mesma informação genética tanto em mulheres quanto em homens.

 

Cromossomos sexuais: São cromossomos responsáveis pela determinação cromossômica do sexo na espécie humana, sendo dois cromossomos X, nas mulheres, e um cromossomo X e um Y, nos homens.

 

Diploide: Quando a célula possui dois conjuntos cromossômicos (2n), um conjunto oriundo da mãe e um conjunto oriundo do pai. Assim, os núcleos contêm um par de cada cromossomo.

 

DNA: Sigla para a molécula de ácido desoxirribonucleico. Corresponde a uma dupla-fita que contém toda a informação genética do organismo. Formada por um açúcar (desoxirribose), fosfato e bases nitrogenadas.

Eletroforese: É um método que consiste em separar macromoléculas por peso molecular. As amostras são aplicadas numa malha (gel) e submetidas a uma diferença de potencial (ddp) elétrico entre duas extremidades do gel. Sob a corrente elétrica, as amostras de peso molecular diferentes se separam em diferentes posições no gel. As macromoléculas correm do pólo negativo para o pólo positivo.  

 

Éxons: Segmentos de sequência gênica que são transcritos para o RNA mensageiro (RNAm). É formado exclusivamente por um conjunto de códons, os quais determinam a sequência de aminoácidos da proteína. 

Expressão Gênica: Representa o processo de ativação de um gene para a produção de um RNA e/ou uma proteína. Representado pelos processos de transcrição e/ou tradução.

 

Expressividade variável: Variação no grau de expressão de um fenótipo em portadores de um mesmo genótipo. Ocorre geralmente em heterozigotos. Exemplo: Alguns indivíduos portadores da Neurofibromatose podem apresentar manifestações clínicas diferentes, como manchas café-com-leite, sardas na pele na região axilar e nódulos de Lisch, enquanto outros podem apresentar tumores benignos potencialmente letais envolvendo a medula espinhal ou sarcomas malignos de uma extremidade. Assim, dentro de uma mesma família, alguns são afetados gravemente e outros não, a este fenômeno denomina-se expressividade variável de um caráter.

 

Família de genes: São genes similares que desempenham funções genéticas semelhantes. Exemplo: Os genes das globinas que possuem pelo menos duas regiões funcionais no genoma, sendo: cinco genes no cromossomo 11 e três genes no cromossomo 16. Os produtos gênicos destas regiões são responsáveis por permitir o transporte eficiente do oxigênio nas diferentes fases da vida humana.

 

Gene: É uma sequência de DNA que contém a informação necessária para expressar um RNA funcional e/ou uma proteína. Estruturalmente é formado por regiões regulatórias e a unidade de transcrição propriamente dita. As regiões regulatórias constituem a região promotora, 5’-UTR e 3’-UTR, enquanto que a unidade de transcrição corresponde o referencial aberto de leitura (ORF).

 

Gene policistrônico: É um grupo de dois ou mais genes que são governados por um mesmo promotor. Geralmente é responsável por traduzir proteínas ou polipeptídios com funções similares.

 

Genoma: Toda a informação genética contida no DNA (em humanos representado pelos 46 cromossomos).

 

Haploide: Células que apresentam uma cópia de cada cromossomo (n). Exemplo de células haploides são os gametas. O número de cromossomos presente em um gameta humano é n=23.

 

 

Haploinsuficiência: Se refere a incapacidade de um único alelo wilde tipe, em um indivíduo heterozigoto, de gerar produto gênico suficiente para manter o padrão fenotípico normal.

 

Haplossuficiência: Ocorre quando um único alelo wilde tipe, em um indivíduo heterozigoto, é capaz de gerar produto gênico suficiente para manter o padrão fenotípico normal.

 

Herança autossômica: Se refere a doenças determinadas por mutações em genes presentes nos cromossomos autossômicos (não-sexuais). Esse tipo de herança ocorre em mulheres e homens na mesma proporção. Pode ser recessiva ou dominante.

 

Heterogeneidade genética alélica: Diferentes mutações em um mesmo locus podem produzir fenótipos semelhantes. Refere-se a presença de múltiplos alelos de único gene. Ex: Mutações encontradas no gene da fibrose cística, as quais podem produzir alelos diferentes.

 

Heterogeneidade genética não-alélica (ou de locus): Ocorre quando mutações em diferentes loci podem gerar o mesmo fenótipo. Ex: Talassemias que ocorrem devido a mutações nos genes da alfa e beta-globina.

 

Inativação X: Ocorre em células com dois ou mais cromossomos X. Nestas células, apenas um cromossomo X permanece ativo em cada célula e o outro cromossomo X é inativado.

 

Íntrons: São sequências intercaladas entre os éxons, as quais são retiradas durante o processamento do pré-RNA, estão ausentes no RNAm maduro e, por isso, não são traduzidas em proteínas.

 

Locus: Localização de um gene em um determinado cromossomo. No plural, é descrito como loci.

 

Meiose: É um processo de divisão celular em que uma célula-mãe origina quatro células-filhas, com o número de cromossomos reduzido pela metade (2n à n).

 

Mitose: Processo de divisão celular em que se originam duas células-filhas idênticas a célula-mãe e sem redução do número de cromossomos.

 

Mosaicismo: Refere-se ao indivíduo ou tecido que se originou de um único zigoto, mas que apresenta pelo menos duas linhagens celulares que diferem no seu genótipo ou cariótipo. Pode ser um mosaico germinativo (atinge as células germinativas) ou somático (ocorre nas células que não são reprodutivas). Ex: Síndrome de Down mosaico, em que nem todas as células do indivíduo possuem a trissomia do cromossomo 21.

 

Mutação: Qualquer alteração permanente na estrutura ou na sequência de DNA. Mutações são variações do genoma que estão presentes em menos de 1% na população. É uma variação rara.

 

Mutação de ponto: Um tipo mutação que envolve somente um par de bases.

 

Mutação de sentido trocado: Tipo de mutação que substitui uma base de um códon fazendo com que altere o aminoácido a ser traduzido.

 

Mutação sem sentido: Substituição de uma base do DNA formando um códon sem sentido de traduação, ou seja, um códon de parada.

 

Mutação silenciosa: Substituição em um nucleotídeo de um códon, o qual não acarreta nenhuma alteração no aminoácido.

 

Nucleossomo: Unidade estrutural do DNA, formado pelo octâmero de histonas associado a duas voltas da dupla hélice do DNA.

 

Penetrância incompleta: Porcentagem de indivíduos que apresentam um genótipo com a alteração, mas não exibem o fenótipo para uma determinada doença.

 

Pleiotropia: Um único alelo ou um par de alelos que quando expressos produz(em) múltiplos efeitos fenotípicos não estão relacionados.

 

Polimorfismos: qualquer alteração permanente na sequência de DNA, cuja a frequência é maior que 1% na população.

 

Região Pseudo-autossômica: É o segmento dos cromossomos sexuais, X e Y, localizado na porção mais distal dos seus respectivos braços curtos (p) e longos (q), em que a informação genética é exatamente a mesma contida nos dois cromossomos sexuais. Assim, as características dos loci da região pseudo-autossômica são herdadas de maneira autossômica, apesar da localização física desses loci estarem nos cromossomos sexuais.

 

RNA: Sigla para a molécula de ácido ribonucleico. É de filamento único formado por um açúcar (ribose), fosfato e bases nitrogenadas. É a ligação molecular entre o DNA e a proteína. É dividido nos seguintes tipos: 

  • RNAt (RNA transportador): responsável por transportar os aminoácidos para a síntese proteica.
  • RNAm (RNA mensageiro): é o molde a partir do qual os aminoácidos formarão a proteína.
  • RNAr (RNA ribossômico): é um componente dos ribossomos e que funciona como sítio de síntese de proteínas. 
  • RNAnc (RNA não codificante): não codificam uma proteína, mas pode possuir função regulatória.

 

Sitio promotor: é uma sequência do DNA localizada na extremidade 5’ do gene a partir da qual os fatores de transcrição podem ou não iniciar a transcrição.

 

Sistema de Reparo: é o sistema de enzimas que corrigem erros na sequência de DNA. Três etapas gerais estão envolvidas no reparo do DNA: (1) o DNA mutado é reconhecido e retirado, (2) a sequência original de DNA é restaurada com a DNA polimerase, e (3) as extremidades do DNA substituído são ligadas à fita existente.

 

Splicing: Processo de remoção de íntrons e junção de éxons em um RNAm.

© 2013 - 2018 Universidade Federal de São Paulo - Unifesp
Escola Paulista de Enfermagem
Rua Napoleão de Barros, 754 - São Paulo - SP - CEP: 04024-002
Pabx: (11) 5576-4430